Significado Psicológico da Síndrome do pânico Por Cristina Cairo - Linguagem do Corpo

O pânico tem origem no ventre da mamãe.
Quando a gestante passa por emoções fortes de medo, pânico, tragédias, mágoas ou traições, o feto absorve todo esse material químico em suas células.
Quando se torna adulto e passa por situações parecidas com que sua mãe passou, suas células reconhecem a química vinda das glândulas supra renais e então o subconsciente associa e o faz sentir os mesmos pânicos que sua mãe no passado sentiu. É a necessidade de retornar ao útero para compreender aquilo.
Terapia de regressão com floral de Bach é um ótimo tratamento.
Obrigado e fique com Deus...

Os temas abordados acima estão mais explicados no Livro Linguagem do Corpo Vol 3;
Cristina Cairo

Comentários

  1. -Sinto Muito
    -Me Perdoe
    -Te Amo
    -Sou Grata

    ResponderExcluir
  2. Embora louvável o empenho da Sra. Cristina na busca da origem da síndrome do pânico, considero a explicação apresentada extremamente simplista. Ingênua, até. Isso porque, como bem se sabe nos dias de hoje, trata-se a síndrome do pânico (como qualquer outra síndrome), de um conjunto de sinais e sintomas clínicos e laboratoriais que a caracterizam.

    As causas da síndrome do pânico são individuais, pessoais e multifatoriais (influências sociais, culturais, familiares, religiosas, fisioquímicas, genéticas, psicológicas, etc), razão pela qual é impossível reconhecer e determinar uma única causa para diagnosticar este problema, como pretende, de forma pueril, a autora do texto.

    De qualquer forma, vale a citação para nos motivar ao estudo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sr Anonimo, como dizia William Shakespeare, "há mais mistérios entre o céu e a terra do que toda nossa vã filosofia".A síndrome do Panico pode ter causas provenientes de vários fatores, é obvio, porém não se pode deixar de analisar pelo lado de registro de memória de vida intra-uterina...eu fui curada fazendo regressão de memória e a partir desta descoberta fazendo uso de florais e outras terapias alternativas , hj estou curada. Fato que nenhum psiquiatra ou psicologo me curou e sem uso de remédios alopáticos ( sem desmerecer a classe claro)...

      Excluir
    2. É isso mesmo sr Anônimo, gostei da sua explanção! Há casos e casos, que bom seria se pudéssemos resumir tudo tão simplesmente assim ,e a Terapia Floral é bem indicada, mas há que se investigar a causa e a ajuda médica é indispensável!

      Excluir
  3. Sr. Anônimo
    Fico um pouco aliviada com seu ponto de vista,há anos buscando explicação para ajudar nosso filho e tentando entender como e quando começou.
    Sou grata:)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A explicação será mais complexa no novo livro que será lançado, Linguagem do Corpo 3...

      Excluir
    2. Sra., de fato deve ser muito longa e dura a caminhada na busca de solução para a chamada síndrome do pânico. Todavia, entendo que deva buscar um profissional sério (psicólogo ou psicanalista), para que juntos, em um trabalho mais profundo, possam encontrar caminhos e respostas de realmente tragam uma melhor compreensão sobre o assunto.

      Excluir
    3. Sr. Lucas, não se trata de ter uma explicação mais ou menos complexa, e sim, sobre as bases e fundamentos que conduzem à tal explicação. De qualquer maneira, vamos aguardar...

      Excluir
    4. TIVE A SINDROME DO PÂNICO, FIQUEI ANOS REFEM DO MEDO... ME RECUPEREI SEM MEDICAÇÃO, QUANDO LI UM LIVRO CHAMADO : "LIVRANDO-SE DO PANICO SEM DROGAS".... FOI MUITO BOM, AS PESSOAS QUE ENFRENTAM ESSE PROBLEMA OU TEM FAMILIARES PASSANDO POR ISSO, PRECISAM ENTENDER QUE O PANICO A GENTE SÓ VENCE COM INFORMAÇAO... SÓ DE SABER QUE NINGUEM NUNCA MORREU DURANTE UMA CRISE DE PANICO JÁ NOS FORTALECE PARA ENFRENTAR ESSA SITUAÇAO... BOA SORTE A TODOS!!!!

      Excluir
    5. Gostei do testemunho Penço que a parte que diz que ninguém morreu or ataque de pânico vai ajudar .O livro também é um optimo concelho.

      Excluir
  4. Eu lido com Síndrome do Pânico há quase 10 anos. Já melhorei muito e já piorei muito tb. Já passei por diversos terapeutas holísticos e acho sim que eles têm capacidade de ajudar a lidar ou mesmo a superar isso. Mas cada caso é um caso e cada momento tb pode pedir um tipo de intervenção. Já cheguei ao ponto de sentir necessidade de medicação alopática (talvez por não conseguir de outras maneiras ser forte), por mais que eu odeie isso. No fim das contas, nesse momento, ainda apanho muito para melhorar. Sei que, pelo menos no meu caso, eu me boicoto demais quando algo me faz bem e tb tenho dificuldade de aceitar e lidar com dinheiro. Mas poderia falar durantes meses e esse assunto não findaria. Qualquer explicação e opção é válida, se assim a pessoa sentir e se dispuser. Ainda não tentei a Transgressão. Agora vou tb pensar nisso com carinho.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  5. Acredito na Cristina Cairo! Acho q a SDP esta aliada a uma falta de fé imensa...devemos resgatar essa fé, a todo custo, Deus abençoe as pessoas que conseguiram...e as que ainda não conseguiram, que nunca desistam, existe um Deus Universo, o qual estamos ligados, acredite, busque essa fé!

    ResponderExcluir
  6. Ela é formada em Educação Fisica e Psicologia !!Pra quem ainda não sabe !!

    ResponderExcluir
  7. Formada em Educação Física em 1986 pela OSEC, foi diretora de quatro academias de ginástica. É Bacharel em Psicologia pela FMU, e hoje é fundadora e diretora do Instituto Brasileiro de Linguagem do Corpo Cristina Cairo onde reúne seus conhecimentos artísticos, de psicologia humana, técnicas da medicina milenar e canalizações para auxiliar famílias, relacionamentos amorosos, professores, advogados, médicos, psicólogos, crianças, adolescentes, etc, pela linguagem do corpo, meditação, PNL (programação neurolinguistica), numerologia, astrologia, máquina Kirlian, kinesiologia, reiki, massagens e harmonizações para a saúde, rejuvenescimento e a prosperidade.

    ResponderExcluir
  8. Paola di Cola fala sobre a memória das nossas células
    Tenho recebido no consultório muitas grávidas em dúvida sobre o que realmente acontece com o feto em relação às questões emocionais. Antigamente achávamos que o útero era um ambiente totalmente seguro onde o bebê crescia livre de qualquer influência externa. Hoje sabemos que não é isso que acontece.

    Depois de anos de pesquisas, descobrimos que o bebê ouve os barulhos do corpo da mãe, engole e sente o gosto do líquido amniótico, percebe luz e som, dorme, acorda, esfrega os olhos, reconhece a voz de sua mãe e muito mais.

    A vida emocional do feto também é intensa, ele sente, tem emoções, experimenta prazer e desprazer, dor, tristeza, angústia ou bem estar, e que é capaz de se relacionar com sua mãe, captando seus estados emocionais.

    Alguns pesquisadores afirmam que tudo que se passa, desde o encontro do espermatozoide com o óvulo, tem registro e que este registro é feito por meio de uma memória celular e é guardado nos nossos arquivos de memória, uma espécie de banco de dados inconsciente.

    “Tudo é memória. O ser vivo sente e guarda. O organismo não esquece nada. A criança sabe tudo sobre o seu passado, sobre as suas vivencias celulares, embrionárias e fetais. Tem consciência de suas origens, consciência celular de si mesma, consciência das divisões celulares em si. Nosso corpo não esquece nada do que tenha experimentado”. Essa fala dos psicanalistas franceses Oliver e Varenka, afirma que nada em nossa existência passa desapercebido.

    Muitos pesquisadores acompanharam crianças desde sua vida pré-natal até seus 5 anos de idade, e comprovaram que muitas coisas que acontecem na vida intra-uterina se repetem depois do nascimento.

    Um dos meios usados para isso foi o desenho. Quando o ser humano desenha, ele deixa de passar por uma estrutura que chamamos de superego, que é responsável pelas repressões e regras sociais, ou seja, ele coloca no papel exatamente o que está dentro dele, mesmo que seja algo inconsciente.

    As crianças se beneficiam muito das terapias infantis, principalmente as que trabalham com arte e brincadeiras. No momento em que elas estão brincando e desenhando, o terapeuta pode ajuda-la a entender e nomear os sentimentos que surgem. E isso é um alívio enorme para elas, e consequentemente para os pais.http://revistapaisefilhos.com.br/so-no-site/paola-di-cola/memoria-celular

    ResponderExcluir
  9. Mistério - Memória Celular
    http://youtu.be/4gzfRTLWz5I

    ResponderExcluir
  10. Nossa é incrível a quatidade de pessoas formadas em Achologia aqui tem até Phd em Acho!!kkkkkkkkkk..Vou procurar uma Faculdade de Achologia !!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foda-se! Se não acredita, vazaaa aqui não é seu lugar!

      Excluir

Postar um comentário